terça-feira, 3 de junho de 2008

A eterna despedida

Era uma dessas noites nevadas de inverno,eu,ao lado da lareira,cantava alto.Adorava fazer isso quando ficava sozinha em casa.
Meus pais tinham ido fazer uma viagem pela Europa,já era para terem voltado,pelo menos nos Estados Unidos.Já cansara de cantar,senti um frio na barriga;sempre achei que fosse um alguém especial,não única,mas especial.Sempre me achei capaz de ver fantasmas.
Liguei a televisão,CNN,acho interessante assistir aos jornais,minha professora sempre fala que os tempos mudaram,que estamos na era da informação e o importante é se informar.Distraida,com a cabeça em outro lugar,acabei nem pensando no jornal.Aconteceu um pique de energia,tudo se apaga por um momento e depois tudo volta,menos a televisão.
Nessa hora bateram na porta,me assustei e fui atender.Eram meus pais:
-Pai?!Mãe?!Quando vocês chegaram aqui nos Estados Unidos?
-Não faz tempo,o avião teve um acidente e chegamos mais cedo-Disse minha mãe entrando.
-acidente?
-É,não ligamos porque estamos com pressa.-Minha mãe já arrumara as malas,Tudo estava em casa,como se ela ainda não tivesse viajado para a Europa.
-Com pressa?Aonde vocês vão?
-Querida,não precisa arrumar as coisas.Vamos nos despedir,pois o tempo é curto-Disse meu pai para minha mãe,logo se dirigindo a mim:
-Não se preocupe,já arrumamos tudo para você-O sorriso de meu pai me cativava,mas nesse dia estava diferente,parecia realmente estar feliz.
-Ah!Está bem.Quando vocês voltam?-Houve um silêncio enorme e prolongado e minha mãe chorando sai do quarto:
-Pai,o que está acontecendo?-Lágrimas escorreram pelo rosto de meu pai,Mas seu sorriso continuava belo como nunca.
-Olhe,nós vamos nos mudar,Você poderá ir depois,só viemos aqui nos despedir e pedir uma coisa,-Minha mãe entrara novamente no quarto.-Você pode nos escrever uma poesia?-Era um pedido tão simples.
fiquei rubra:
-Claro pai,sobre o que escrever?-Peguei o papel e caneta.
-Escreva sobre o quanto nos ama.
Minha mãe começára a chorar novamente e ela e meu pai estavam de mãos dadas.
-Vamos ver...-Pensei em algumas palavras e logo que terminei recitei para eles:
Nessas noites mal dormidas
penso o quanto ainda vai demorar,
Para que eu possa recitar
Minhas poesias mais bem amadas.

Nosso amor realmente é eterno,
Tão especial quanto o luar;
Tão graciosa,como o seu olhar,
Sentada esperarei o inverno.

Quero apenas te dizer diretamente
Que amar-te-ei eternamente
Tanto aqui,quanto lá.

Viva eu cá
Olhando para a neve
Enquanto vive você no lá tão breve.

Eles pegaram o papel,me abraçaram,beijaram e,mesmo sem querer,nossas lágrimas caíram juntas,se foram.Olhei para o céu escuro e frio mas logo meus pais sumiram e ainda vi meu papel caído na neve.peguei-o e entrei.
Ao ler o papel percebi uma poesia diferente:
Não importa em que vida,
O importante é nosso sentimento.
Tristemente lhe mandamos o agradecimento
E dizemos que a vida deve ser muito bem vinda.

Visitaremos você,
Nossa menininha tão doce,
Em todos esses dias do inverno,
Não importa qual o seu terreno.

Queremos apenas dizer-te brevemente
Que amar-te vamos eternamente,
Aqui e agora nós sabemos

Que não aproveitamos
A oportunidade de viver a vida
Que graciosamente deve ser vivida.

Ao terminar de ler entrei.O telefone tocou,tudo se apagou.Acordei num lugar luminoso,no hospital.Ficára quase tudo bem.
-O tempo se passou e eu estou aqui.-Olhando constantemente para a porta a menina abre um sorriso-Meus pais chegaram,vou com eles.-saiu em direção a um banco aparentemente vazio,deixando o alguém,que parecia não ligar,sozinho.
-Mais uma vez conversando sozinha.Vamos ter que aumentar a dose do remédio.-Disse uma mulher com aparência de enfermeira.
-Calma,deixe-a,não são todos os dias que os pais dela a visitam.-proibe uma segunda enfermeira.-Afinal eles recitam as mesmas poesias uns para os outros sempre;cada vez com um toque mais feliz ou de maior saudade.

Nícholas Mendes.

3 comentários:

juliana disse...

nossa!
até me arrepiei ao ler..
..muito bom Nic!

eliana_blumle disse...

nossa....muito lindo
leva jeito , nao pare.
abraço

Mari Beneti disse...

realmente gostei, muito bom! Parabéns!
Um beijão :)